Ação do PRS Caatinga e Serta reduz emissão de gases de efeito estufa e gera energia limpa

Patrisia Ciancio | 28 de setembro de 2022

Unidades Demonstrativas com biodigestores estão sendo implementadas e beneficiam 60 famílias agricultoras em Oliveira e  Monteirópolis

As parcerias do PRS Caatinga com 20 Arranjos Produtivos Locais (APLs) estão fazendo chegar, gradativamente, as Tecnologias Agrícolas de Baixo Carbono (TecABCs) e tecnologias sociais em água e energia em cinco estados do Nordeste. Em conjunto com o Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta), o Projeto está implementando biodigestores para reaproveitamento de resíduos orgânicos e produção de fertilizantes e biogás.

No início de setembro, o Serta concluiu a implantação de uma Unidade Demonstrativa (UD) equipada com o biodigestor Selo D’Água e outras três UDs já foram iniciadas. O plano de trabalho inclui ainda a implementação de duas UDs de Sistema Agroflorestal Forrageiro (SAF) integrado e 54 Unidades Multiplicadoras (UM), com uso do SAF nos municípios de Olivença e Monteirópolis, em Alagoas. Essas iniciativas evitam a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera e permitem que os agricultores economizem na compra de botijões de gás.

“O sistema tem a capacidade de produção média de até três botijões de gás ao mês, o que proporcionará aos produtores reduzir as despesas de rotina da família, uma vez que não estarão mais comprando o botijão de gás e isso contribuirá com a redução de gases poluentes que seriam lançados ao meio ambiente”, disse a coordenadora técnica da ações do PRS Caatinga com o Serta, Aline Melo. O recurso vai beneficiar diretamente cerca de 60 famílias.

 

Construção de biodigestor pelo Serta em Alagoas

 

Biodigestor é tecnologia limpa de geração de energia

Segundo informações da Serta, o Biogigestor Selo D’água aproveita 100% os gases gerados a partir dos dejetos de animais, a exemplo dos bovinos, suínos, caprinos e ovinos. Isso porque a tecnologia converte os resíduos (fezes dos animais) em gases, como o Metano (CH4) e o dióxido de carbono (CO2). E em biofertilizanntes, através de reações anaeróbicas realizadas por microrganismos, de formas orgânica e natural.

“Após as capacitações, iniciamos os dias de campo e mutirões envolvendo as famílias e a comunidade nos processos de Implantação das Unidades Demonstrativas da Tecnologia Biodigestor Selo D’água”, enfatizou Aline.

 

Confira o resumo da ação com o Serta

  • Público atendido: 60 famílias agricultoras
  • Especialidade: Pecuária Leiteira
  • Municípios: Olivença e Monteirópolis, Alagoas
  • Unidades Demonstrativas: 6
    • 4 UD com tecnologia Biodigestor Selo d’água,
    • 2 UD com Sistemas Agroflorestais Forrageiros Integrados (1000m²)
  • Unidades Multiplicadoras (UM): 54
    • Sistemas Agroflorestais Forrageiros (600m² em cada unidade).