Sistemas produtivos de baixo impacto na Caatinga 

Patrisia Ciancio | 6 de dezembro de 2021

A conservação da Caatinga pelas comunidades de Fundo de Pasto é tema de debate no INSA

“A conservação da Caatinga pelas Comunidades Fundo de Pasto”, por meio das diferentes formas de uso sustentável de seus recursos e de sua biodiversidade, foi o tema do ciclo de debates Pecuária Sustentável no semiárido brasileiro,com participação do coordenador regional do PRS Caatinga, Francisco Campello. O evento aconteceu dia 3 de dezembro e foi organizado pelo Núcleo de Sistemas de Produção Animal do Instituto Nacional do Semiárido (INSA), unidade de pesquisa do Ministério de Ciência e Tecnologia.

De acordo com Campello, a convivência com o semiárido passa hoje por um processo de adaptação para fortalecer a produção e o consumo sustentáveis. “Podemos ter uma agricultura regenerativa da Caatinga associando o esforço de convivência (com o semiárido) ao que o mundo vem buscando trabalhar com sistemas produtivos de baixo impacto. Produzir alimentos sem agressão ambiental e com qualidade”, comentou.

 

Potencial do Manejo Sustentável de Florestas

Campelo afirmou ainda que o Manejo Sustentável de Florestas (MSF) é uma tecnologia de baixo carbono com potencial para conservar a biodiversidade, promover a segurança hídrica, alimentar e energética, além de gerar trabalho e renda. “É nesse sentido que se faz o trabalho com as comunidades de Fundo de Pasto. A agroecologia desmistificou a imagem do bioma como uma zona pobre e enaltece a riqueza da Caatinga. Estamos caminhando para o entendimento de que Seu José e Dona Maria são atores nos compromissos que o Brasil tem perante o mundo no que se refere a sustentabilidade”, enfatizou o especialista, que é mestre em Manejo Florestal.

Em outras palavras, o uso sustentável de florestas tem reflexo direto nos compromissos que o Brasil assumiu perante agendas climáticas globais. A Caatinga tem uma resiliência muito alta, e se regenera o tempo todo, segundo Campello. O especialista completou que a Rede de Manejo Florestal da Caatinga acumula mais de 30 anos de pesquisa sobre o tema e possui uma sólida base de dados, que demonstra ser possível  fazer uso dos recursos sem degradação das áreas.

 

Confira o evento na íntegra: