Programa de Capacitação realiza aula aberta sobre manejo e conservação de água e solo para o desenvolvimento sustentável

prscaatinga | 23 de maio de 2021

Evento finaliza as aulas teóricas da primeira turma com palestras e participação do Águas do Agro

O Programa de Capacitação em Tecnologias Agrícolas de Baixo Carbono promoveu no dia 21 de maio uma aula aberta para marcar a finalização dos módulos teóricos da sua primeira turma, que reúne 150 assistentes técnicos e extensionistas rurais. Através do curso de especialização “Tecnologias de Baixa Emissão de Carbono: Fortalecendo a Convivência com o Semiárido”, a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS) e a Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) estão promovendo a qualificação de assistentes técnicos e extensionistas, gestores, servidores públicos, agentes ambientais, agentes de crédito, experimentadores, práticos, entre outros perfis ligados à produção rural. A ideia é fomentar um ambiente propício para a promoção de Arranjos Produtivos Locais (APLs) de baixo carbono a partir da articulação de diversos setores.

Durante a aula aberta, Pedro Leitão, Diretor do PRS Caatinga, comentou que a aula aberta é uma “noite muito feliz para nós porque estamos encerrando o ciclo de aulas teóricas do Programa de Capacitação, que é um dos nossos principais objetivos, de fortalecer assistência técnica e extensão rural em tecnologias agrícolas de baixo carbono adaptadas às condições do semiárido. Este é um objetivo almejado desde o início. É motivo de orgulho e satisfação termos alcançado essa meta em parceria com a UNIVASF. E hoje estamos materializando uma parceria com o Águas do Agro, com a qual temos conversado sobre a possibilidade de integrar esforços e trazer essa discussão sobre solo e água para o semiárido brasileiro”.

A professora Lúcia Marisy, Coordenadora Pedagógica do curso de extensão e Pró-Reitora de Extensão da Univasf, destacou a importância do momento. “Eu queria falar do contentamento da UNIVASF de estarmos com parceiros tão importantes e poder contribuir para a melhoria da qualidade de vida de populações que, de certa forma, irão se beneficiar de uma extensão muito mais diversa, multicultural, com questões inovadoras para o Nordeste como as tecnologias de baixo carbono. A partir de agora, os nossos extensionistas poderão fazer um trabalho mais qualificado, contribuindo com o meio ambiente, a preservação da biodiversidade – esse é o nosso papel enquanto academia, FBDS e demais parceiros.”

E complementou: “Eu queria agradecer aos alunos que estão finalizando essa primeira etapa pela sua participação nas aulas, sempre muito presentes, partilhando as suas experiências e contribuindo com a informações valiosas dos seus municípios, da sua região” e complementou “A gente espera pelos alunos, muito em breve, em nossas práticas, para concluirmos esse trabalho e iniciar a próxima etapa de realização de projetos nos seus territórios”.

Como momento cultural, foram apresentados dois vídeos produzidos por alunos. O primeiro, com o poeta João da Caatinga, aluno da terceira turma, aborda as riquezas do bioma. Já o segundo vídeo, intitulado “Cordel da Agricultura de Baixo Carbono”, de autoria do poeta Erivaldo Gomes e declamação de Bruna Lima, utiliza a uma expressão cultural típica do Nordeste brasileiro para apresentar as principais estratégias para a mitigação de gases de efeito estufa já no contexto do semiárido. (Assista no minuto 7 da transmissão)

A aula aberta ofereceu duas palestras sobre manejo e conservação de água e solo para o desenvolvimento sustentável, além da apresentação do Programa Águas do Agro, a ser lançado brevemente pelo Ministério da Agricultura, Pesca e Abastecimento (MAPA). O evento contou ainda com apoio da Embrapa Semiárido. Como reconhecimento da importância deste momento, a Coordenação Geral de Conservação de Solo e Água presenteou o Programa de Capacitação com três publicações. São duas coletâneas sobre “Fatores de Emissão e Remoção de Gases de Efeito Estufa” na pecuária e na agricultura brasileira e o livro “Integração Lavoura Pecuária”, de João Kluthcouski, Luís Fernando Stone e Homero Aidar, editado pela Embrapa.

 

Programação

O Programa Águas do Agro, a ser lançado brevemente pelo MAPA, foi apresentado por Soraya Carvalho Barrios de Araújo, Coordenadora Geral de Conservação de Solo e Água do ministério. Segundo Soraya, o Águas do Agro será uma das principais políticas do ministério, com duração de dez anos, e cujo principal objetivo é promover o desenvolvimento econômico sustentável no meio rural por meio da adoção de práticas de conservação de solo e água, com manejo eficiente dos recursos naturais”.

A programação contou ainda com duas palestras. A primeira, de Pedro Medeiros, professor da área de Engenharia Ambiental e Sanitária no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola (Universidade Federal do Ceará – UFC) e do Programa de Pós-Graduação em Energias Renováveis (Instituto Federal do Ceará – IFCE), abordou o tema “Chuvas no semiárido brasileiro e sua relação com escoamento e produção de sedimentos”. Em um segundo momento, o pesquisador João Henrique, da Embrapa Algodão, apresentou a palestra “Práticas de manejo e conservação do solo e água direcionadas para agricultura de baixo carbono”.

Após cada apresentação, as perguntas dos alunos enviadas pelo chat dos canais da RTV Caatinga, canal de televisão da Univasf, e do PRS Caatinga que transmitiram o evento no link.