Sol por trás de árvore na caatinga

Apresentação

O Programa de Capacitação em Tecnologias Agrícolas de Baixo Carbono é uma iniciativa da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS) em parceria com a Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF).

Criado no âmbito do Projeto Rural Sustentável Caatinga, seu objetivo é promover conhecimento sobre conceitos e práticas de tecnologias agrícolas de baixa emissão de carbono, levando em conta as características e peculiaridades da região semiárida.

Através do curso de especialização “Tecnologias de Baixa Emissão de Carbono: Fortalecendo a Convivência com o Semiárido”, o Programa investe prioritariamente na qualificação de assistentes técnicos e extensionistas que atuam junto a cooperativas e associações de produtores rurais para fomentar a adoção de práticas e tecnologias orientadas para a agricultura de baixo carbono. Gestores, servidores públicos, agentes ambientais, agentes de crédito, experimentadores e práticos também serão selecionados pelo Programa. A diversidade de alunos pode fomentar um ambiente propício para promoção de Arranjos Produtivos Locais (APLs) de baixo carbono a partir da articulação de diversos setores vinculados à produção rural sustentável.

Investimento estratégico

A qualificação de assistentes técnicos e extensionistas rurais é um investimento estratégico para a promoção da agricultura de baixo carbono na Caatinga – especialmente entre associações e cooperativas que reúnem pequenos e médios produtores rurais.

Os estudos realizados pelo PRS Caatinga ao longo de 2020 apontam que o percentual de estabelecimentos rurais com acesso à assistência técnica nos 37 municípios prioritários é baixo, variando entre 0,4% em Curral Novo (Piauí) e 23,3% em Nordestina (Bahia) (TAVARES, GUIMARÃES, ANTUNES, 2020). Além disso, há uma perda significativa de investimentos na qualificação de profissionais e precarização dos serviços de assistência técnica pelo enxugamento de equipes e investimentos em capacitação (ALBAGLI, LEITÃO, 2020).

 

Alunos participam de aulas práticas

Institucionalização da formação em TecABC na universidade

A parceria com a UNIVASF é fruto do seu reconhecimento público como instituição de excelência em ensino, pesquisa e extensão nas temáticas de interesse do Projeto e seu comprometimento com o desenvolvimento sustentável da Caatinga. A atuação conjunta representa uma ação estruturante na medida em que institucionaliza conhecimentos, debates e reflexões sobre as tecnologias agrícolas de baixa emissão de carbono por meio da sua incorporação em ementas, disciplinas, seminários, pesquisas, atividades extensionistas etc.

A UNIVASF está transformando o curso “Tecnologias de Baixa Emissão de Carbono: Fortalecendo a Convivência com o Semiárido” em uma oferta permanente. A perspectiva é que, a partir de 2022, os seus conteúdos e dinâmicas sejam incorporados no Mestrado Profissional em Extensão Rural. A oferta contínua e permanente de qualificação em TecABC na Caatinga se constitui como um legado do PRS Caatinga para o semiárido.

Estrutura

O Programa de Capacitação prioriza conceitos e práticas que relacionam as atividades produtivas desenvolvidas no semiárido e os fenômenos vivenciados localmente – como a degradação dos solos e o processo de desertificação – com a agenda climática global. Um de seus objetivos é promover um diálogo entre as tecnologias de baixo carbono com as práticas de convivência com o semiárido e as tecnologias sociais já consagradas nestes territórios. Elas são contribuições pioneiras para a mitigação da emissão de gases de efeito estufa e adaptação às futuras emergências climáticas.

Docentes

A equipe docente é composta majoritariamente por professores da UNIVASF. Os módulos são coordenados por professores dos Programas de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial (PPGADT) e em Extensão Rural (PPGExR), sob a coordenação da Pró-Reitoria de Extensão (Proex). Profissionais de outras instituições de ensino, pesquisa e extensão e representantes de organizações da sociedade civil também fazem parte da equipe de docentes. Eles foram convidados para contribuir no desenvolvimento das aulas, materiais didáticos e palestras.

O curso é composto por 13 módulos de aulas teóricas, com 450 horas distribuídas ao longo de cinco meses. Devido à pandemia de Covid-19, as aulas teóricas foram priorizadas e estão sendo oferecidas por meio de plataforma on-line.

Grade curricular

Módulo 1 – Introdução ao Programa de Capacitação em Tecnologias de Agrícolas de Baixo Carbono e ao PRS Caatinga
Pedro Leitão
Módulo 2 – Utilização de Ferramentas Digitais no Ensino Remoto e Ações de ATER
Profa. Márcia Bento
Módulo 3 – Introdução ao Clima e Ciência do Solo
Prof. Mário Miranda
Módulo 4 – As Práticas de Convivência com o Semiárido e Introdução às Tecnologias Agrícolas de Baixo Carbono (TecABC)
Prof. Hélder Ribeiro Freitas e Bruna Tavares
Módulo 5 – TecABC na Caatinga
Prof.René Geraldo Cordeiro da Silva Júnior e Giselle Parno
Módulo 6 – Fortalecimento de Cadeias Produtivas
Profa. Luciana Souza
Módulo 7 – Acesso a Fontes de Financiamento e Crédito
Prof. Marcelo Henrique
Módulo 8 – Acesso a Mercados
Profa. Viviane Marques
Módulo 9 – Gestão e Fortalecimento de Cooperativas e Associações
Prof. Denes Dantes Vieira
Módulo 10 – Oportunidades e Sustentabilidade do Projeto
Profa. Viviane Marques
Módulo 11 – Técnicas de Registro de Atividades no Campo (Linhas de Base)
Prof. Ricardo Duarte
Módulo 12 – Metodologia de Ensino e Pesquisa
Profa. Mônica Aparecida Tomé
Módulo 13 – Elaboração de Projetos
Prof. Lúcia Marisy

Aulas práticas

As aulas práticas contaram com visitas a instituições como o Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), além de intercâmbios sobre tecnologias sociais como fogões agroecológicos e biodigestores, entre outros.

Outras atividades foram realizadas no Espaço Plural, sede dos Programas de Pós-Graduação em Extensão Rural (PPGExR) e em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial (PPGADT) e outros programas de extensão, localizado no bairro Malhada da Areia, em Juazeiro (BA).

As aulas práticas seguiram protocolos de biosegurança estabelecidos pela universidade e algumas estratégias para evitar a possibilidade de contágio pelo coronavírus pelos participantes foram: exigência de comprovante da vacinação em duas doses de todos os participantes; exigência do uso de máscaras; divisão dos alunos em grupos menores; limpeza diária das instalações universitárias e disponibilização de álcool em gel.

 

Processo seletivo

A partir dos resultados dos estudos realizados pelo PRS Caatinga sobre os serviços de ATER nas cinco microrregiões (Albagli, Leitão, 2020) e orientações dos Comitê Técnico Territorial, foram selecionadas cerca de 150 entidades de prestação de serviços de assistência técnica. Estas organizações foram convidadas a indicar até 5 profissionais para participar do Programa de Capacitação. O processo de seleção dos futuros alunos inclui, entre outros fatores, a análise de currículos a partir de critérios como experiência em práticas sustentáveis, tecnologias sociais, agricultura familiar e organizações associativas, etc.

Depoimentos

Escute o depoimento de Maria Silvanete Lermen, agricultora familiar e aluna do Programa de Capacitação, para o podcast do Programa Rural Sustentável.

Metas

A meta do PRS Caatinga é formar 375 indivíduos, sendo 125 profissionais de ATER e 250 outros perfis, tais como gestores, servidores públicos, agentes ambientais, agentes de crédito, experimentadores, práticos, comunidades tradicionais, entre outros. A diversidade dos participantes  pretende fomentar um ambiente propício para promoção de Arranjos Produtivos Locais (APLs) de baixo carbono a partir da articulação de diversos setores vinculados à produção sustentável. As três primeiras turmas reúnie 600 inscritos.

Em novembro/21, foi lançada uma quarta turma com proposta e estrutura diferenciada. No formato de curso de capacitação (mais curto), as aulas são teóricas e seguem sendo realizadas através de plataforma on-line. O conteúdo dos dias de campo e visitas técnicas será ofertado por meio de vídeos gravados nas turmas anteriores.

Saiba mais