Como pensar a Caatinga no contexto do novo relatório do IPCC? 

Patrisia Ciancio | 23 de agosto de 2021

Documento do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas faz alerta importante para o mundo e a Caatinga

O novo relatório Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) deixa claro que as mudanças climáticas são resultado da ação humana direta e devastadora sobre o meio ambiente, sem precedentes nos últimos dois mil anos. O documento, que está na sua sexta edição, lançado na Suíça, no dia 9 de agosto, aponta para a urgência de reduzir a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE), que é um dos pilares de atuação do PRS Caatinga.

O texto do relatório mostra que o planeta aqueceu 1,09ºC e desse total 1,07ºC representa os efeitos causados pelo homem. Nesse cenário, as regiões semiáridas podem ter suas condições agravadas. Os efeitos da alteração do clima são uma realidade com danos acelerados e que colocam em risco a vida no planeta. Combinados os efeitos naturais e os impactos causados pela ação humana indiscriminada algumas mudanças no clima são irreversíveis.

As evidências científicas relatadas no documento apontam que a atividade humana feita sem planejamento ou conformidade fará, certamente, com que eventos climáticos  extremos como ondas de calor, chuvas e até intensas secas sejam vividos mais incisivamente, aumentando também o risco de crises hídricas, incêndios, desastres naturais e pandemias.

Alguns efeitos que já estão sendo sentidos no país são, por exemplo, a seca no Brasil Central e o impacto na produtividade agrícola, além do risco de racionamento elétrico por conta da falta de chuvas. Na economia, há um aumento significativo no preço dos alimentos e crescente insegurança alimentar, especialmente das populações mais pobres que já estão fragilizadas pelos impactos econômicos da pandemia de Covid-19 e o aumento do desemprego. Há reflexos importantes na segurança hídrica com o esvaziamento de reservatórios e segurança energética com risco de racionamento.

 

Principais pontos do relatório

  • A influência da ação humana nas mudanças climáticas que ocasionam o aumento de temperatura é inquestionável.
  • As ondas de calor triplicaram em relação ao período de 1850-1900.
  • O nível do mar praticamente triplicou se comparado com o período de 1901-1970. Nos últimos 100 anos, o mar subiu 20 cm. As projeções do IPCC até o final do século apontam que o mar pode subir até 1 m.
  • O aumento da temperatura nesse século será de 1,5°C a 2°C se não houver forte redução de emissão de gases de efeito estufa.

 

Impactos no semiárido

O semiárido brasileiro é a área seca mais povoada no mundo e enfrenta historicamente eventos climáticos extremos. Globalmente, a tendência é que a temperatura média aumente em 1,5°C até 2030, se nada for feito, e as ondas de calor são um futuro certo.

No Nordeste, as projeções do IPCC indicam uma queda de cerca de 30% na chuva e um aumento de temperatura de 3°C a 4°C , agravando o processo de desertificação. Em áreas como a Caatinga, a temperatura média pode ultrapassar os 40°C, o que representa um grave risco para as atividades agrícolas.  Nesse sentido, as mudanças climáticas produzem impactos sociais e econômicos ao abalar a capacidade da região de produzir alimentos e, consequentemente, o esvaziamento das áreas rurais por conta das terras se tornarem improdutivas.

Outro dano é o aumento do processo de desertificação. O relatório anterior do IPCC, com data de 2019, indicou que se somadas as áreas desertificadas da Caatinga equivalem ao tamanho da Inglaterra. Com o aumento da temperatura, este fenômeno tende a se agravar na região.

– O relatório acende um alerta para situações já irreversíveis e nós, enquanto projeto voltado para a produção sustentável, tomamos as evidências científicas como um norte. Podemos sublinhar o pioneirismo da Caatinga na criação de soluções para lidar com altas temperaturas, um fenômeno cada vez mais frequente em diferentes regiões do planeta. São saberes locais desenvolvidos para a convivência com o semiárido, com  um valor inestimável porque as mudanças do clima são um tema global. Em paralelo, o nosso projeto trabalha para a redução de emissões de gases de efeito estufa, levando para os agricultores rurais tecnologias agrícolas de baixo carbono -, disse o diretor do PRS Caatinga, Pedro Leitão.

 

Mitigação e Adaptação

Nesse contexto, duas palavras de ordem são mitigação, da emissão de gases de efeito estufa, e adaptação, às mudanças climáticas.  De acordo com o IPCC (2007), mitigação significa “implementar políticas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e aumentar os sumidouros”. Já a adaptação são “as iniciativas e medidas para reduzir a vulnerabilidade dos sistemas naturais e humanos contra os efeitos reais ou esperados das mudanças climáticas”.

Limitar as emissões de GEE pode retardar alguns processos de degradação que impactam diretamente na questão das mudanças climáticas. “É o que a Ciência tem a dizer para toda a sociedade e aos governos. O documento deixa claro que para limitar o aquecimento global são necessárias reduções fortes, rápidas e sustentadas de CO2, metano e outros gases de efeito estufa”, comenta Pedro Leitão, Diretor do PRS Caatinga.

“Na Caatinga, a adoção de tecnologias agrícolas de baixo carbono pode contribuir para, por exemplo, reduzir as emissões de gás carbônico, oriundo do desmatamento, e o metano, produzido pela digestão entérica dos animais. Por outro lado, as estratégias de adaptação, já consolidadas nos territórios da Caatinga, se tornam cada vez mais importantes no cenário global”, acrescentou.

 

Referências

IPCC, 2021: Climate Change 2021: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Masson-Delmotte, V., P. Zhai, A. Pirani, S. L. Connors, C. Péan, S. Berger, N. Caud, Y. Chen, L. Goldfarb, M. I. Gomis, M. Huang, K. Leitzell, E. Lonnoy, J. B.R. Matthews, T. K. Maycock, T. Waterfield, O. Yelekçi, R. Yu and B. Zhou (eds.)]. Cambridge University Press. In Press. Disponível em https://www.ipcc.ch/report/ar6/wg1/downloads/report/IPCC_AR6_WGI_Full_Report.pdf

IPCC, 2007: Climate Change 2007: Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fourth Assess-ment  Report  of  the  Intergovernmental  Panel  on  Climate  Change  [Core  Writing  Team,  Pachauri,  R.K  and  Reisinger,  A.(eds.)]. IPCC, Geneva, Switzerland, 104 pp. Disponível em https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/2018/02/ar4_syr_full_report.pdf